quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Logo marca da gestão de Apodi causa grandes “debates” nas redes sociais

Desde que foi lançada no ultimo domingo oficialmente, pelos gestores do município Alan Silveira (PMDB) e Hortência Regalado (PSDB), a nova logo marca que identifica a gestão municipal “Apodi Cidade de Todos”, gera debates e discussões nas redes sociais, os se digladiam com opiniões contrastantes.

Os apoiadores da gestão elogiam a nova logo, já os opositores criticam por inúmeros motivos.

Diante das discussões, se destaca uma peculiaridade a originalidade da nova logo, que representa o município de Apodi como um todo.

10 comentários:

  1. Ow povo pra gostar de picuinha!! Ooh céus!!!

    ResponderExcluir
  2. É muito linda essa LOGO MARCA ameiiiii esse coração...Eu sei o que isso, já passei por isso derrotados, aceite que dói menos..EU, ESTOU MUITO, MUITO FELIZ, dormo e acordo sorrindo com tanta felicidade !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Euzinha,vou Corrigir o durmo kkkk

      Excluir
  3. Eu não vi estas descusoes na rede social este bloqueio ta é doido

    ResponderExcluir
  4. A grande questão da logo é que cidade não é o mesmo que município, o segundo engloba todos os distritos, todas aa áreas territóriais administradas, enquanto cidade só ambrange o distrito-sede (zona urbana), sem considerar, contudo, o restante dos 50% das demais regiões do nosso Apodi.

    ResponderExcluir
  5. Isabelly Soares deu uma explicação bastante pertinente. Ela destacou a palavra "cidade", isolou-a do contexto de uma mensagem intencional e a definiu, utilizando o significado literal do dicionário. Isso é aceitável sim, da forma como está sendo exposto. Porém, linguisticamente falando, todos os autores mais atuais que tratam do uso da língua no contexto de um TEXTO (Unidade básica, composta de sentido, da comunicação humana) fazem-nos refletir que os usos reais da língua, isto é, como a língua funciona dentro da situação comunicativa, como é o caso da logo marca ou mesmo numa conversa normal, numa matéria como esta, enfim, na concretude comunicativa diária, as palavras ganham sentido que vão além dos que estão expostos no dicionário. Na referida logo marca, a palavra cidade não tem o significado LITERAL do dicionário, portanto, não exclui o restante do território municipal porque o seu significado está direcionado à sede do poder executivo, que todos sabemos, pertence ao universo municipal e não somente à "cidade", como área urbana. É preciso que entendamos uma coisa em linguística: o dicionário não é uma LEI, é apenas um "norte", quando não temos nenhuma ideia do significado de uma palavra, aí o devemos procurar. Mas, quando sabemos o sentido que está sendo construído, não há necessidade, pois este é construído no contexto do texto, tanto por quem escreve como por quem lê. Para isso, precisamos ativar conhecimentos linguísticos, conhecimentos de mundo (aprendizado adquirido e memorizado através de leituras, relações sociais, etc.) e o conhecimento interacional (conhecimento que se aprende na interação diária, algo que complementa o sentido a partir de associações). Este último é o que não está sendo considerado quando pegamos a palavra CIDADE, a isolamos e consideramos apenas o significado do dicionário. Para ilustrar o que estou dizendo cito Ingedore Koch e Elias, grandes linguistas que estudam este assunto:

    "os tipos de conhecimentos ativados na compreensão e na produção de sentido, são conhecimentos complementares e ativados simultaneamente. Um deles é o conhecimento linguístico, que diz respeito ao uso das regras da língua. Outro, o conhecimento enciclopédico ou conhecimento de mundo, que se encontra armazenado na memória dos sujeitos; é um tipo de conhecimento que, em muitos textos, deve ser compartilhado entre autor e leitor. Outro, o conhecimento interacional, que diz respeito à relação do ouvinte/leitor com o texto à sua frente e, em grande medida, à relação entre sujeitos. Complementar é a noção de contexto - algo de ordem externa ao texto -, entendido de forma ampla como "tudo aquilo que, de alguma forma, contribui para ou determina a construção de sentido" (KOCH e ELIAS, 2006, p. 59).
    O livro é: A CONSTRUÇÃO DOS SENTIDOS DO TEXTO.

    ResponderExcluir
  6. EM SUMA:
    Não há questão a ser discutida na logo marca, a não ser a deficiência que ainda existe no nível de leitura de alguns que não sabem ainda fazer a associação desses conhecimentos citados por Koch e Elias, para conseguir compreender o sentido construído no contexto da peça comunicativa.

    ResponderExcluir
  7. Jesus, como fico triste com esse tipo de acontecimento, uma cidade inteira se mobilizando nas redes sociais por causa de uma logo da atual gestão municipal da minha cidade, quanta falta de tê o que fazer, quanta falta de criatividade, gente vamos fazer campanhas nas redes sociais pra arrecadação de comida pra quem está com fome, orar por pessoas enfermas nos hospitais, o hospital da cidade estava pra fechar e não vi essa mobilização toda.

    Todos os governos querem o seu povo analfabeto, só assim eles podem manipular suas mentes, procure gastar seu tempo estudando, quem sabe você não vai perceber que a logo da atual ou futuras gestões não vai mudar em nada o rumo da sua vida ou o estado de calamidade em que se encontra o seu município.

    ResponderExcluir